29/03/2018, 11:41:00

Sobre o Bomber

Dr. Hermann von Helmholtz Clique para ampliar
Dr. Hermann von Helmholtz

Já que ouvimos falar muito sobre isso e com várias ideias sobre a função da peça colocada sobre os coletores dos escapamentos, quero começar do zero, explicando como nasceu, porque e como se desenvolveu.

Tudo começou na europa quando as normas sobre limite de decibéis emitidos pelos escapamentos foram reduzidos drasticamente, uma famosa fabrica europeia produtora de escapamentos resolveu usar o sistema de câmera de ressonância criada pelo Dr. Fisiólogo e físico Hermann von Helmholtz, nascido em Berlim em 31 de agosto de 1821, cujo dono do projeto do Ressonador Helmholtz, o qual se encarrega de encamerar ressonâncias e assim posto no coletor do escapamento, consegue derrubar os decibéis agudos reduzindo a sensibilidade fonométrica.

Após esse sucesso, pilotos mais experientes perceberam que em baixa e média rotação, os motores respondiam com mais vivacidade. Assim começaram vários testes em dinamômetros onde realmente se percebeu uma diferença de potencia de até 10% dependendo do volume. Mas a surpresa maior foi que inclusive na alta, havia diferenças. Assim foram colocados sensores de temperatura próximo ao local da câmera de ressonância e fluxometro do duto do escapamento.

Perceberam assim que havia uma grande diminuição da temperatura dos gases próximo à câmera de ressonância devido à expansão dos mesmos com um aumento da velocidade do fluxo desses gases resfriados de até 15%.

Começou assim ser chamada “Camera de expansão”, a qual trabalha em qualquer rotação do motor em mais ou menos percentual, graças as tantas acelerações e desacelerações que acontecem em uma pista de motocross ou enduro. Mas os estudos não pararam por aí, e assim as grandes fabricas de escapamentos que possuem o próprio departamento de engenharia, criaram software dedicado ao desenvolvimento dos próprios dutos do escapamento, do posicionamento e volume dessa câmera de expansão para cada modelo de motor, e assim atingir o objetivo do fabricante de escapamento.

Hoje graças ao bom relacionamento e parceria criada durante o meu trabalho de desenvolvimento de protótipos na Itália, possuímos esse maravilhoso equipamento, onde os meus colegas sempre me passam novas evoluções do mesmo.

Após tudo isso, o método se espalhou no mundo, assim variando de nomes como “Bomber” e “Megabomber”, nomes patenteados por fabricas americanas, onde se obtém o mesmo objetivo.

Atenciosamente, Massimo Viola
 

Galeria de Imagens
Compartilhe nas redes:

Veja também